segunda-feira, 17 de outubro de 2011

A "PINDÉRICA FESTAROLA"

Na sua crónica do Público da passada sexta-feira, 7, escreveu Vasco Pulido Valente: «Numa cerimónia, de ano para ano mais penosa, o Presidente da República foi à Praça do Município celebrar a República radical, quando já esta anuncia a sua própria desaparição». Referia-se, naturalmente, à «pindérica festarola do “5 de Outubro”, a que ninguém ligou».

É, constata-se essa fixação do Poder em não deixar em definitivo o obsoleto ritual de, cada vez que a República festeja sozinha o seu aniversário, içar a bandeira na varanda da Câmara onde, certa vez, alguns milhares de portugueses presentes acreditaram nas promessas de uns tantos malandrins a breve trecho completamente desmascarados quanto às suas intenções e capacidades. Com uma ligeira diferença: há já muitas décadas, a praça defronte está rigorosamente vazia, afora quaisquer cornetas e bombos da banda dos Sapadores Bombeiros, para o efeito convocada.

Até aqui, as novidades são nenhumas. Curiosa, e merecedora de reflexão, é a expressão de VPV – «A República radical». Como se houvesse outra, porventura a “moderada”.
Não há. A República é só uma. E os seus acólitos quase nenhuns. Serão eles, apenas, os tais «radicais». Descontando o extremismo cesarista de Direita e o igualitarismo pavloviano de uma certa Esquerda, a indiferença tomou definitivamente a vez do republicanismo, em tudo o que não diga respeito à consagrada «ética republicana». Quero dizer: àquelas franjas do espectro partidário, por norma ligadas ao PS, onde muito fraternamente se pratica a negociata, o conluio, o tráfico de influências e outros mais petiscos cozinhados de avental.

João Afonso Machado

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial